Sabe Mais

Posts Tagged ‘Fascismo

Apartheid

Posted on: 18/08/2012

      Num dia como o de hoje mas do ano de 1964 (há 48 anos), o Comité Olímpico Internacional bania a África do Sul dos Jogos Olímpicos, por não renunciar ao regime de segregação racial conhecido por “apartheid”.

      O regime de segregação racial determinava, por lei, que os brancos detinham o poder total e os demais cidadãos não brancos deveriam viver separados dos brancos com regras próprias que lhes impunham, não lhes permitindo qualquer direito de cidadania.

      A segregação ia ao pormenor de distinguir os transportes públicos, havendo transportes próprios para brancos e outros, piores, para negros, com as suas respetivas e distintas paragens. Segregava-se tudo: lojas, praias, piscinas, bibliotecas, até os bancos nos jardins tinham indicações de “só para brancos” ou “só para europeus” e “para não europeus”.

Anúncios

      As recentes cheias na China, consideradas as piores dos últimos 60 anos, têm sido objeto de críticas pela população local às autoridades, acusando-as de falta de manutenção e aumento dos sistemas de escoamento de águas pluviais o que teria incrementado os efeitos das cheias, apesar dos atempados avisos dos meteorologistas.

      Um habitante do bairro de Fangshan, de Pequim, foi um dos que se insurgiu nos últimos  dias, afirmando: «Isto é ridículo, o governo consegue contar os animais mortos, mas o número de vítimas humanas continua nos 37 mortos e ainda não foi atualizado.».

      As autoridades chinesas anunciaram 37 vítimas humanas, cerca de 170 mil animais e a destruição de 66 mil casas.

      O chefe da polícia da capital chinesa, Fu Zhengua, anunciou que serão detidas todas as pessoas que lançaram críticas na Internet à atuação das autoridades dizendo: «A partir de hoje, castigaremos com firmeza quem utilizar a Internet para propagandear rumores políticos e atacar o partido comunista, os dirigentes do Estado ou o sistema atual.»

      As chuvas torrenciais caíram durante 20 horas no passado sábado e inundaram várias ruas de Pequim. O governador da cidade apresentou a sua demissão mas ninguém pode falar ou escrever sobre o assunto de forma crítica. A contagem dos humanos mortos foi agora elevada para 77.

Etiquetas: ,

      De acordo com os dados divulgados ontem pelo Gabinete de Estatísticas da União Europeia (Eurostat), Portugal aceitou 50 pedidos de asilo político em 2011, isto é, menos de metade dos 120 formulados.

      Estes dados são divulgados no âmbito do Dia Mundial dos Refugiados, que se assinala hoje (quarta-feira, dia 20 de junho). Estes dados mostram ainda um aumento dos asilos concedidos relativamente ao ano anterior (2010), uma vez que neste ano o Estado português concedeu apenas 20 estatutos de refugiado.

      Dos refugiados acolhidos, a maioria são oriundos da República Democrática do Congo, da Colômbia e da Somália.

      No conjunto da União Europeia, foram acolhidos 84100 requerentes de asilo em 2011, mais 75800 do que em 2010, sendo os afegãos o principal grupo populacional (13300 pessoas, 16% do total), seguindo-se os iraquianos (9000, 11%) e os somalis (8900, 11%).


      Byron Widner foi considerado um dos fascistas skinheads mais perigosos dos E.U.A. e mantinha o corpo tatuado com diversas formas racistas e violentas, até na face.

       Recentemente concluiu as 25 cirurgias com laser que removeram as tatuagens de dezenas de anos de discriminação e ódio racial, que exibia com orgulho.

      A postura de Bryon começou a mudar em 2006, quando se juntou com a atual mulher, Julie, de quem teve um filho. A partir daí, o casal formou uma família, juntamente com os filhos do anterior casamento de Julie, decidindo-se a afastar-se da extrema-direita. A reinserção na sociedade não foi fácil. Com tatuagens agressivas, onde se viam suásticas, a palavra “hate” (ódio, em inglês) e lâminas ensanguentadas (que eram as armas preferidas do ex-skinhead), Byron era olhado com desconfiança mal saia de casa, nunca conseguindo emprego. Ninguém queria empregar um homem que tinha estampada, na própria face, uma atitude de ódio e intolerância.

      Desesperados, Byron e a mulher procuraram maneiras de remover as tatuagens, revelando-se a única hipótese o laser, no entanto, uma intervenção demasiado cara para o casal, com cinco jovens a viver em casa. A solução acabou por surgir de um sítio muito improvável. Byron recorreu a um grupo que luta contra os movimentos skinhead e neonazis nos EUA.

      Joseph Roy, um dos principais ativistas de luta contra grupos de ódio, nem queria acreditar quando recebeu o pedido de ajuda de Bryon Widner. De entre os skinhead que conhecia, ele “era o mais agressivo, o mais provocatório, o mais destacado”. Primeiro, Roy desconfiou daquele arrependimento, mas depois de falar com o casal acreditou na sua sinceridade e deu-lhes a mão.

      Através do grupo “Southern Poverty Law Center” (organização norte-americana que monitoriza os “grupos de ódio”), Roy conseguiu a ajuda de um doador anónimo para pagar as cirurgias. Em contrapartida, Byron vai liderar palestras para contar a história da sua mudança de comportamento e atitude, que envolveu também a ajuda do ativista negro Daryle Lamont.

      As 25 cirurgias com laser duraram 16 meses e custaram aproximadamente 27 mil euros. O ex-skinhead já encontrou trabalho e já não sente vergonha de andar na rua com o filho nos braços. O mais difícil será esquecer o passado. O ex-skinhead disse que sonha todas as noites com as pessoas que agrediu.

      Esta mudança do antigo pilar do movimento de extrema-direita nos EUA deu origem ao documentário “Erasing Hate”.

      “A sociedade pode ser dura mas as pessoas podem ser perdoadas pelos seus pecados e, aqueles que pensávamos serem os nossos inimigos podem, afinal, tornar-se os teus melhores amigos”, concluiu a mulher de Bryon.

      Para saberes mais sobre o assunto e sobre o documentário visita o sítio: http://www.erasinghatethemovie.com/index.html

      Num dia como o de hoje (16 de maio), do ano de 1966, Mao Tsé-Tung lança o conhecido “Aviso do 16 de Maio”, dando início à “Revolução Cultural Chinesa”, assim conhecida mas de seu nome completo e original “Grande Revolução Cultural Proletária”.

      Esta revolução, foi uma profunda campanha político-ideológica levada a cabo desde 1966 e até 1969, na República Popular da China, pelo então líder do Partido Comunista Chinês, Mao Tsé-tung, cujo objetivo era neutralizar a crescente oposição que lhe faziam alguns setores menos radicais do partido, em face do fracasso do plano económico denominado “Grande Salto Adiante” (1958-1960), cujos efeitos acarretaram a morte de milhões de pessoas devido à fome generalizada, fato conhecido como A fome de 1958-1961 na China.

      Esta campanha de eliminação dos opositores teve vários episódios de violência, principalmente instigada pela Guarda Vermelha, guarda esta composta por grupos de jovens, quase adolescentes, oriundos dos mais diversos setores (militares, camponeses, estudantes, elementos do partido, governo, etc.) que, organizados nos chamados comités revolucionários, atacavam todos aqueles suspeitos de deslealdade política ao regime e à figura e ao pensamento de Mao, a fim de consolidar (ou restabelecer) o poder do líder onde fosse necessário. Estes jovens seguiam com rigor as citações/orientações gerais de Mao compiladas no “Livro Vermelho”.

      Os alvos da Revolução foram inicialmente os membros do partido mais alinhados com o Ocidente ou com a União Soviética, funcionários burocratas, e, sobretudo, intelectuais, a revolução pautava-se também por um grande anti-intelectualismo, uma vez que na intelectualidade se encontravam alguns dos potenciais inimigos da revolução. O ensino superior foi praticamente desativado no país.

      Incidental ou intencionalmente, o movimento acabou enfraquecendo os adversários de Mao e representou uma depuração partidária, contra o revisionismo que se insinuava. O processo foi oficialmente terminado por Mao, durante o IX Congresso do Partido Comunista da China em abril de 1969. Todavia, especialistas afirmam que ele durou, de facto, até à morte de Mao, em 1976, e a subida ao poder de Deng Xiaoping, então Secretário-Geral do Partido, o qual, gradualmente, deu início às mudanças nos rumos políticos e económicos do país.

      Pouco depois da morte de Mao, os membros do grupo denominado Grupo dos Quatro (composto por Jiang Qing, esposa do líder falecido, Zhang Chunqiao, Wang Hongwen e Yao Wenyuan) são presos sob a acusação de terem cometido excessos por ocasião da implementação e consolidação da Revolução Cultural, bem como de ambicionarem tomar o poder.

      Ou seja, a Revolução Cultural, de revolucionária só teve o nome, e de cultural só o pretexto tático inicial, uma vez que foi uma luta pelo poder travada na cúpula entre um punhado de indivíduos, por trás de uma cortina de fumo de um pretenso movimento de massas fictício.

      A questão de como uma luta pelo poder atingiu níveis tão elevados de violência e desordem social tem intrigado os historiadores e especialistas em psicologia de massas e têm sido publicados inúmeros estudos académicos, tanto na China como fora dela, que tentam dar explicações sobre as causas dos acontecimentos daqueles conturbados anos.

      A ilustração abaixo representa a Guarda Vermelha em ação revolucionária com o Livro Vermelho de Mao e foi retirada de um compêndio dos alunos da escola primária daqueles anos. Note-se que, na escola primária, os alunos têm entre 6 a 10 anos.


Etiquetas: ,

      No Irão, está prestes a ser lançada uma Internet nacional, com o objetivo de cortar o acesso dos internautas à Internet mundial.

      Prevê-se para o próximo mês de agosto o lançamento e corte. O ministro das Tecnologias de Informação e Comunicação do Irão, Reza Taghipour, revelou as intenções do governo iraniano de implementar uma Intranet nacional, capaz de bloquear o acesso aos serviços estrangeiros, nomeadamente de correio electrónico e redes sociais.

      Esta Internet que afinal é Intranet nacional começará já em maio a bloquear serviços de e-mail e motores de busca de empresas como a Google, Yahoo e Microsoft, que serão substituídos por serviços semelhantes, mas pertencentes ao Governo do Irão.

      No caso dos serviços de e-mail, Teerão já terá começado a efetuar o registo dos cibernautas para que estes possam utilizar o serviço de correio eletrónico oficial.

      Ainda de acordo com o ministro das Tecnologias de Informação e Comunicação do Irão, o objetivo deste projeto é criar uma «Internet limpa» para o país.

Etiquetas: ,

       Houve uma quebra dos sistemas de censura na China durante dois dias, durante os quais os chineses puderam aceder, sem censura, às redes sociais como o Facebook, o Twitter e o YouTube.

       Os motivos da quebra temporária que permitiu o acesso, sem qualquer tipo de restrição, aos utilizadores chineses são ainda uma incógnita.

       Os utilizadores chineses ficaram surpreendidos pelo acontecimento, uma vez que, por norma, têm que pagar para ter acesso a uma rede privada virtual que lhes permite evitar a censura.

       «De repente pude aceder ao YouTube! Não houve necessidade de «derrubar» a firewall». Esta foi a mensagem deixada por Arvin Xie na rede social Weibo, um serviço de microbloguing chinês semelhante ao Twitter.

       No entanto, o acesso a estes sítios já está de novo bloqueado, o que repõe a ordem natural das coisas na China, em que as autoridades têm como política censurar o acesso a sítios estrangeiros como medida de prevenção contra desacatos e propagação de ideias contrárias ao regime.

Etiquetas: ,

Calendário

Outubro 2017
S T Q Q S S D
« Set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Visitantes já contados:

  • 81,848

Contacto por email:

infodiasms@gmail.com

O objectivo deste sítio é:

SabeMais no Twitter

[ Vota aqui sobre o conteúdo deste blogue e vê os resultados atuais ]

Facebook SabeMais e Info-Dia Sms

%d bloggers like this: